Comunicação Violenta: reconhecendo e mudando

O ser humano, em geral, assume uma comunicação violenta diante de situações de conflito. A comunicação violenta que me refiro aqui não é a agressão verbal em si, mas sim o que se pode chamar de violência passiva, aquela que gera raiva na vítima. Ou seja, é uma violência na forma de falar que acaba por fomentar o conflito ao invés de resolvê-lo.

Anúncios

Saúde Mental: curando nossas relações doentes

O mês de Janeiro já está indo embora, mas os cuidados com a Saúde Mental devem permanecer por todo o ano. A OMS - Organização Mundial de Saúde diz que em breve mais da metade da população mundial terá algum distúrbio mental. Esse número é altíssimo! E quando vemos os índices de eventos trágicos envolvendo principalmente familiares, bem como o índice crescente e alarmante de suicídios, principalmente de jovens, precisamos parar e refletir como os indivíduos e suas relações estão doentes.

Inverdade virtual: queremos uma vida plena, cheia de propósito e significado

Quem usa as redes sociais certamente conhece uma pessoa – ou algumas pessoas – que parece levar uma vida perfeita, que em seus posts e atualizações transborda felicidade, amor e amizade. A vida parece maravilhosa, essa pessoa parece não ter defeitos. Como pode alguém conseguir viver tão plenamente as relações humanas e divinas a ponto de não ter problemas? Certamente você, leitor, identificou algum “amigo” digital que seja assim, extremamente feliz...

Perfeição: ideal dos tolos

Estamos condenados a não cometer erros. Somos condenados ao cometê-los. No amor, somos submetidos ao regime da performance. Amamos a ideia do amor perfeito. Maltratamos o amor real. Estranho tudo isso! Não aprendemos ou, se aprendemos, estamos esquecendo que amar é aceitar as fraquezas dos outros e as nossas próprias. Não estamos mais aprendendo a se sensibilizar perante o outro, a esse outro de carne e osso. Não nos conectamos mais em olhares, em toques, em abraços, em companhias. Somos escravos de um ideal frio e mascarado.

Síndrome do Pânico parte 2 – Os primeiros sintomas antes da crise

Durante o tratamento contra ansiedade, que no meu caso foi a mola propulsora da Síndrome do Pânico, ouvi uma explicação muito pertinente sobre como funciona nosso corpo, principalmente nosso cérebro. Se você colocar um balde embaixo de uma torneira que está gotejando, o balde vai demorar muito a encher. Mas uma hora ele ficará cheio e na iminência de transbordar. Quando estiver nesse patamar e mais uma gota pingar, pronto, o balde transborda e não aguenta mais o volume de água causado por aquela goteira.

Cada um que faz sua parte compõe o todo que faz a diferença

Liderar é, acima de tudo, amar, pensar no outro, se doar e entender que a maior razão de toda existência é servir ao próximo. Recentemente, tive o privilégio de sentir na pele e no coração a experiência de trabalhar com reciclagem de lixo orgânico. Além de aprender como tudo funciona, essa vivência me proporcionou uma reflexão muito importante para os estudos que venho realizando sobre o verdadeiro significado de liderança.