5 contribuições da Neurociência para orientar adolescentes na escolha da carreira

A Neurociência é a ciência que estuda o sistema nervoso que, por sua vez, é constituído pelo cérebro e sistema nervoso central e periférico. Existem diversos focos desse sistema em nosso corpo, desde o nível microscópico até a relação corpo e ambiente, nos comportamentos observáveis, como andar e falar, ou nos comportamentos encobertos, como percepção, imaginação pensamentos, julgamentos, decisões, etc. Essa corrente científica estuda, por exemplo, a anatomia das regiões do cérebro e suas funções, os comportamentos e a cognição.

Na escolha da profissão, uma das contribuições da Neurociência é oferecer a jovens e adolescentes alta tecnologia e procedimentos neurométricos, reconhecidos mundialmente, que focalizam a interação entre o cérebro, mente, corpo e comportamento com o reconhecimento dos impactos emocionais, sociais e suas consequências. Esse método inovador resulta em avaliações funcionais do sistema nervoso, cognitivo e neurofisiológico, promovendo o aumento da autoconsciência e da autogestão.

Na análise funcional do sistema nervoso, com o objetivo de promover a orientação vocacional, podemos citar 5 contribuições para os adolescentes:

  1. Reconhecimento comportamental através das áreas e funções cerebrais

 O entendimento sobre as regiões do cérebro e suas funções possibilitará ao adolescente a compreensão de seus comportamentos e escolhas, e como mobilizar as capacidades do cérebro para um objetivo específico, como a escolha da carreira.

  1. Análise das ondas do cérebro

Na análise das ondas do cérebro, sensores captam a frequência e velocidade dos sinais neurofisiológicos, transmitindo a frequência e ativação dos pulsos nervosos e as áreas do comportamento correspondentes, o que possibilita ao adolescente uma maior compreensão de seus estados de atenção, calma, irritação, sonolência e impulsividade, por exemplo.

  1. Estresse Adrenal, Hiperatividade e Déficit de atenção

O reconhecimento e a compreensão da conexão direta do sistema nervoso e o sistema endócrino, nos resultados da avaliação funcional, permitem ao adolescente e aos pais um conhecimento dos impactos dessa conexão na sua saúde física e mental, como as consequências do excesso de secreção dos hormônios do estresse e suas consequências diretas nos transtornos de ansiedade, na qualidade do sono, cansaço e desânimo, memória, foco e atenção, baixa imunidade, dificuldade de leitura e interpretação, tensão nervosa, por exemplo.

  1. Mapeamento de distúrbios que prejudicam a aprendizagem

O conhecimento a partir da Neurociência permite mapear os estados de consciência de nossos sentimentos negativos, as reações emocionais, como impulsividade, irritabilidade, angústia e depressão; análise dos transtornos de ansiedade, mapeamento de distúrbios fisiológicos na memória, concentração e raciocínios; identificação de transtornos respiratórios e deficiência no transporte de oxigênio, o que leva ao desgaste mental e/ou disfunções; alterações no sono, estados de cansaço, exaustão, tensão nervosa e desânimo. 

  1. Análise da atividade Simpática e Parassimpática: Patologias crônicas, etc

O Sistema Nervoso Autônomo (SNA) é responsável por respostas reflexas, como os batimentos cardíacos, frequência respiratória e temperatura corporal. Esse sistema é dividido em sistema nervoso simpático e parassimpático. Quando os dois sistemas estão em desequilíbrio, há um descontrole do estresse e de distúrbios fisiológicos.

Por meio da consciência de estados interiores e a gestão desses estados, é que o adolescente pode adquirir competências para o gerenciamento de emoções, motivação para atingir metas, adaptabilidade, capacidade de ação e decisão da carreira profissional que quer seguir. Todas essas habilidades são essenciais para atingir o autodomínio, algo tão essencial para os jovens nos dias de hoje.

Esse fluxo de autodomínio e motivação significa a conquista de um estado de harmonia cerebral no qual diferentes áreas do cérebro ficam sincronizadas e entram em uma condição de eficiência cognitiva, permitindo que o jovem descubra e utilize seus talentos em níveis máximos, seja em qualquer profissão que ele escolha atuar.

Estudos recentes apontam que quando as pessoas estão trabalhando em uma atividade que requer seus talentos – em sua real vocação -, os níveis de excitação cerebral ficam mais baixos e, consequentemente, seu foco, atenção e concentração atingem um nível elevado de desempenho ou de aprendizagem. O que resulta em agilidade e flexibilidade em responder a desafios.

Portanto, a Neurociência possibilita de fato que o adolescente acesse o autoconhecimento de uma forma abrangente e dinâmica, potencializando suas habilidades pessoais e profissionais. É preciso conhecer a si mesmo através de como seu cérebro funciona e desvendar esse enigma para fazer as escolhas mais adequadas para o futuro.

Por Dra. Cassia Oliveira, psicóloga, Pós-Doutoranda em Neurociências, Especialista em Psicodiagnóstico Rorschach Clínico e Jurídico. Possui cursos de extensão em Avaliação Psicológica na Harvard University (MA) e na Sociedade Internacional de Rorschach da Suíça, Escritora, Membro da Sociedade Brasileira de Neurometria. Idealizadora do Pró-Menthe, programa de orientação vocacional para crianças, jovens e adolescentes.

Contato Pró-Menthe: (62) 8121-9152 | contato@promenthe.com.br

ESTE ARTIGO CONTRIBUIU COM VOCÊ? ENVIE-NOS UM E-MAIL CONTANDO SUA HISTÓRIA: contato@potencialmaximo.com.br

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s